Blog da Folhinha

Um espaço de interação com a criança

 

Infância inspira versos

Foto Arquivo pessoal

Segurando a bola, Adilson aos 12 anos, centroavante do Estrela FC

O leitor Adilson Rodrigues, 64, gostou muito da Folhinha especial de Dia da Criança (publicada em 9/10), que veio recheada de versos.

Ele gostou tanto que se inspirou nela para escrever um poema sobre sua infância no interior de Minas Gerais, na cidade de Queluzito. Confira.

INFÂNCIA QUELUZITA
 
Lá morei na casa do rei
seu Chiquinho Albuquerque
dono das pessoas e do lugar
 
Filha dele foi minha
professora primária
Dona Glorinha
minha mãe, em segunda mão,
meu amor em primeiro lugar
 
Ó correnteza do Paraopeba
me ensina de novo a nadar?
No alto daquela mangueira
minha boca na manga ubá...
Futebol rolava na praça
até nas noites de luar!
 
Histórias de lobisomem
quem é que vai me contar?
Na hora de voltar para casa
que medo de assombração
me pegar!
 
Certo que
tudo na vida passa
(se até a uva, passa!)
Só não passa é essa saudade
que lá da infância me olha,
pela vidraça..."

Adilson Rodrigues é autor de livros didáticos de Português (em parceria com Magda Soares), editor de didáticos e paradidáticos, "letrista e poeta nas horas vagas" 

Escrito por Gabriella Mancini às 13h39

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Sábado, 9/10, na Folhinha

Reprodução

Versos para presente
Para o Dia da Criança, a Folhinha traz poemas de Zeca Baleiro, Alice Ruiz, Chacal, Tatiana Belinky, entre outros, que têm como tema a infância.

Confira mais novidades no site da Folhinha: www.folha.com/folhinha

Escrito por Gabriella Mancini às 17h45

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

A sobrevivente

Fotos: Arquivo Pessoal

Cachorrinha Mazar, 1 ano e 11 meses

A leitora Oriana Furness, de Trancoso, enviou um e-mail sobre sua cãzinha Mazar.

Ela é uma guerreira. Quer saber por que? Confira no texto abaixo:

"Querido time da Folhinha,

Esta é a minha amada Mazar-e-Sharif, ou Mazar, ou "ézagoogirl" (that´s a good girl).

Ela vai fazer dois anos em novembro. Ela é uma sobrevivente. Nós moramos em Trancoso e ela pegou a doença do carrapato.

Contra todas as chances ela batalhou e está felizona agora, grandona, caçando lagartos e lagartixas no jardim, brincando com cocos e cavando ossos, clichê, porém verdade.

Ela tem uma amiga equina, a Lorena. A sua coisa favorita é deitar de barriga para cima na cama.

Ela senta, deita, e coisa e tal por qualquer indício de comida. Não late muito, porém uiva no coral canino dos cachorros da rua.

Mesmo sendo da raça Pitweiller, ou Hotbull, ela é extremamente carinhosa e adora adotar filhotes. Uma verdadeira esponja de absorver carinho. Todas as pessoas em volta dela ficam felizes.

Extremamente ágil, ela gosta de caminhar em lugares altos, qualquer coisa que for elevada. Ela é uma ativa lobista para os direitos animais e eu sou a dona mais orgulhosa do mundo! hehehe.

Muito obrigada, 

Oriana Furness"

Escrito por Gabriella Mancini às 16h48

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Baleias e golfinhos de perto

No litoral sul de Santa Catarina, surfista não pega jacaré: pega baleia.

É que a região foi uma das escolhidas pelas baleias-francas-austrais para ter seus filhotes e acasalar.

Elas vêm para o sul do Brasil de julho a novembro e podem ser vistas de pertinho pelos turistas, no chamado "whale watching" (observação de baleias).

O passeio no barco dura cerca de 1h30 e pode ser feito por adultos e por crianças a partir de 6 anos. As baleias ficam ao alcance da mão!

Fotos Gabriella Mancini/Folhapress

Baleia à vista!


As baleias ficam bem pertinho e chegam a bater no barco


As saídas acontecem em Garopaba (SC), mas vale a pena esticar o passeio e até a cidade de Laguna (SC) para ver de perto a pesca da tainha com a ajuda de botos (leia mais na edição de 2/10 da Folhinha).

Apu Gomes/Folhapress

Em Laguna, os botos ajudam os pescadores trazendo a tainha para perto deles

Isabela Gasperin, 8, fez os dois passeios. Ela diz que preferiu ver os golfinhos às baleias, pois se parecem mais aos que ela tinha visto nos desenhos e nos filmes.

"A baleia parece mais um hipopótamo e não dá para ver ela inteira, como o golfinho", conta a menina.

Confira os detalhes da viagem de Isabela:


Isabela Gasperin se prepara para entrar no barco

"Estávamos perto da praia do Rosa [SC], e cada vez eu ficava mais ansiosa.

A primeira coisa que eu queria fazer era ver nosso chalé. Eu digo que é uma casa porque ela tem dois andares, é enorme e tem banheira.

Enfim fomos ver as baleias que eu tanto queria ver, mas no fim foi a coisa mais chata que eu fiz porque eu fiquei enjoada.

No outro dia acordamos e caímos na estrada de novo. Estávamos indo para Laguna ver os golfinhos. Os pescadores diseram que colocavam nomes nos golfinhos.

Depois fomos ver o centro histórico de Laguna.  Vimos a igreja, a casa onde foi feito o vestido para o casamento de Anita Garibaldi [heroína da Revolução Farroupilha, em que o Rio Grande do Sul tentou se separar do resto do Brasil].

Visitamos também a fonte da Carioca, onde os escravos trabalhavam e bebiam água.

No outro dia, fui tomar banho de lagoa! Depois fui jantar. No outro dia, sete horas da manhã estava eu indo embora do paraíso que eu conheci. Gostei muito de tudo que fiz."
ISABELA GASPERIN, 8

PARA CONFERIR
Os passeios de whale watching podem ser agendados por telefone 0/xx/48/3355-6111.

Mais informações no site www.vidasolemar.com.br

Escrito por Gabriella Mancini às 14h47

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Blog da Folhinha O blog da Folhinha é um espaço virtual para interação das crianças com o suplemento impresso publicado pela Folha de S.Paulo aos sábados. É produzido pela editora, Patrícia Trudes da Veiga, pela editora-assistente, Gabriela Romeu, além de outros colaboradores.
Mapa do Brincar

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha Online. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha Online.